:::: MENU ::::

Seja Bem-Vindo! | Role a tela para baixo...

Quem foi Nicolau?

Nicolau nasceu em Patara, cidade da Ásia Menor, por volta do ano 250. Seus pais eram muito ricos e cristãos fervorosos. Desde criança Nicolau era uma pessoa com virtudes, para a vida espiritual e para a caridade. Quando se mudou para Mira na atual Turquia, no século IV desenvolveu o costume de fazer doações anônimas, tanto em dinheiro quanto em roupas e alimentos para viúvas, pobres e necessitados. (CIUPA, 2002).

Com o falecimento de seus pais, ele como único herdeiro, pegou todas as riquezas, mas não guardou nada. No episódio mais famoso envolvendo suas ações caridosas com o próximo, o jovem durante a noite deixou sacos de ouro nas janelas das casas de três garotas, que por diversas circunstancias foram obrigadas a se prostitui, Nicolau fez isso para que assim essas moças pudessem mudar de vida. (LIMA, 2016).


Dizem que ele colocava presentes para crianças em sacos e os jogava dentro das chaminés à noite, para serem encontrados por elas pela manhã. Dessa tradição veio a sua fama de amigo das crianças. Mais tarde, ele foi incluído nos rituais natalinos no dia 25 de dezembro, ligando Nicolau ao nascimento do Menino Jesus. (ESPARZA, 2016).


Nicolau e sua trajetória religiosa

O seu reconhecimento era grande pelo homem bondoso e caridoso que era, sempre tinha como prioridade ajudar o próximo. Quando jovem, não se importava com diversões e vaidades, mas preferia participar das atividades da igreja, diante disso, tornou sacerdote, onde exerceu seu ministério com muito amor, dedicação na evangelização e conversões dos pagãos. (CIUPA, 2002)

Depois de algum tempo propagando sua fé com muita devoção foi consagrado bispo de Mira, onde desenvolveu também seu apostolado na Palestina e no Egito. Tempos depois, durante as perseguições do imperador Diocleciano, Nicolau foi aprisionado até a época em que foi decretado o Edito de Constantino, sendo finalmente libertado. (ESPARZA, 2016)


Legado de São Nicolau

São Nicolau faleceu em 6 de dezembro do ano 326, na cidade de Mira. Seu túmulo tornou-se local de grande peregrinação. Mais tarde seus restos mortais foram transportados para a cidade de Bari, Itália. Lá, até hoje, suas relíquias são motivo de grande veneração. O culto a São Nicolau propagou-se por toda a Europa. (O GLOBO, 2017).

Ele é o santo padroeiro da Rússia, da Grécia e da Noruega. Na Armênia ele é padroeiro dos guardas noturnos. Em Bari, na Itália, ele é padroeiro dos coroinhas. Em Portugal ele é padroeiro dos estudantes. Além disso, ele também é padroeiro da comunidade ucraniana presente no município de Roncador-PR, a qual tem muito amor e devoção por esse santo tão querido e bondoso. São Nicolau também é conhecido como protetor dos marinheiros e comerciantes, como santo casamenteiro e principalmente como um grande amigo das crianças.

Nicolau vem de nikos, que significa vitória, e de laos, “povo”, isto é, “vitória do povo”. Sua festa é comemorada no dia 6 de Dezembro, data de seu falecimento, logo no início do advento. Devido a sua trajetória de milagres também ficou conhecido como São Nicolau Taumaturgo (taumaturgo é a capacidade de um santo de realizar milagres). (PASCÁSIO; LEÔNCIA, 2017).

A sua figura bondosa e caridosa, símbolo da fraternidade cristã, mantém-se viva e impressa na memória de toda a cristandade. Agora, também na da humanidade toda, porque perpetuada através dos comerciantes nas vestes de Papai Noel nos países latinos, de Nikolaus na Alemanha e de Santa Claus nos países anglo-saxões. Mesmo sob falsas vestes, são Nicolau nos exemplifica e recorda o seu grande amor às crianças e aos pobres e a alegria em poder servi-los em nome de Deus. (PASCÁSIO; LEÔNCIA, 2017).


Tradição que persiste até os dias atuais

Atualmente, a figura do Papai Noel (São Nicolau) está presente na vida das crianças de todo mundo, principalmente durantes as festas natalinas. É o bom velhinho de barbas brancas e roupa vermelha que, na véspera do Natal, traz presentes para as crianças que foram obedientes e se comportaram bem durante o ano. Ele habita o Polo Norte e, com seu trenó, puxado por renas, traz a alegria para as famílias durante as festas natalinas. Como dizem: Natal sem São Nicolau não é mesma coisa.

No município de Roncador no Paraná São Nicolau é o santo padroeiro da comunidade ucraniana ali presente. Antes mesmo de iniciar o mês de dezembro os preparativos para a grande festa em louvor ao santo já começam a ser organizados. São realizadas novenas, missas, procissões, festa na comunidade, mas o marco principal para a comemoração desta data tão importante para os morados deste lugar, é a realização do teatro de São Nicolau. São realizados nove dias de novena, também chamadas de “AKAFIST”, com intuito de pedir proteção e agradecer as graças recebidos, em meio a esse período é realizada a festa tradicional do padroeiro na cidade, e para coroar as novenas e todas as comemorações acontece então o tão esperado teatro.

Na noite do dia 05 de dezembro, data que antecede o dia do santo, os jovens e as religiosas da comunidade preparam uma peça teatral na qual contam as principais histórias que envolvem São Nicolau, destacam cenas que trazem seus atos de caridade, amor, e compaixão ao próximo, assim como sua relação de afeto com as crianças. Ao final da encenação há a entrega de presente do santo para as crianças, presentes estes previamente adquiridos pelos pais.

Os mais velhos da comunidade dizem que é uma singela forma de homenagear e lembrar quem foi São Nicolau, principalmente a fim de mostrar para as crianças a importância do padroeiro e do seu legado cheio de sentimentos bons, como fé, amor, devoção, caridade e bondade. E que esse é o verdadeiro sentido e espirito daquele quem chamam de Papai Noel no natal.


CURIOSIDADES

Oração a São Nicolau

“Deus, Todo-Poderoso, atendei às nossas preces e aceitai que Vos adoremos, prestando homenagem a São Nicolau, Sede bendito e louvado, eternamente, pelos dons que concedestes a esse Vosso Santo, e por nos haver dado São Nicolau com nosso protetor.São Nicolau, protegei-me contra os perigos do mar. São Nicolau, guiai-me.São Nicolau, socorrei-me.”

(Rezar um Pai-Nosso e uma Ave-Maria).

Como nasceu a imagem do Papai Noel a partir das vestes de São Nicolau

A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu primeiramente na Alemanha, e a partir daí espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Até o final do século XIX, o Papai Noel era representado com uma roupa de inverno na cor marrom ou verde escura. Em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou uma nova imagem. A roupa nas cores vermelha e branca, com cinto preto, criada por Nast foi apresentada na revista Harper’s Weeklys neste mesmo ano.

Em 1931, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com o mesmo figurino criado por Nast, que também eram as cores do refrigerante. A campanha publicitária fez um grande sucesso, ajudando a espalhar a nova imagem do Papai Noel pelo mundo.

Nos dias de hoje, a figura do Papai Noel está presente na vida das crianças de todo mundo, principalmente durantes as festas natalinas. É o bom velhinho de barbas brancas e roupa vermelha que, na véspera do Natal, traz presentes para as crianças que foram obedientes e se comportaram bem durante o ano. Ele habita o Polo Norte e, com seu trenó, puxado por renas, traz a alegria para as famílias durante as festas natalinas. (PASCÁSIO; LEÔNCIA, 2017).

REFERÊNCIAS

Arqueólogos acreditam que corpo de São Nicolau ainda esteja na Turquia. O Globo, 04 de outubro de 2017. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/historia/arqueologos-acreditam-que-corpo-de-sao-nicolau-ainda-esteja-na-turquia-21907042
CIUPA, E. Roncador terra da fé. Livreto impresso, 2002.
ESPARZA, D, Z. 5 coisas que você não sabia sobre São Nicolau, o “Papai Noel”. Aleteia, 23 de dezembro de 2016. Disponivel em: https://pt.aleteia.org/2016/12/23/5-coisas-que-voce-nao-sabia-sobre-sao-nicolau-o-papai-noel/
LIMA, J, D. A história de São Nicolau, o bispo que “virou” o Papai Noel. Sempre Família, 23 de novembro de 2016. Disponível em: http://www.semprefamilia.com.br/a-historia-de-sao-nicolau-o-bispo-que-virou-o-papai-noel/
PASCÁSIO, P; LEÔNCIA. São Nicolau. Franciscanos, 05 de dezembro de 2017. Disponível em: http://www.franciscanos.org.br/?p=59708

A dança na cultura ucraniana

A dança popular é uma das mais antigas expressões da cultura do povo ucraniano, se origina geralmente nas manifestações de cultos religiosos, em particular nas celebrações ligadas às mutações da natureza. As danças folclóricas ucranianas destacam-se por serem realizadas ao ar livre, coreografias próprias das planícies da Ucrânia, compostas por movimentos rotativos, com formações de figuras e linhas geométricas, encantam a todos que assistem pelo seu ritmo vibrante, de confiança, coragem e principalmente exuberância de seus trajes e acessórios.

Segundo Ciupa 2004, as danças são divididas em três categorias, danças em grupos, aos pares e individuais. As danças em grupos representam os festejos e cerimônias antigas, já as danças em pares lembram as expressões dos sentimentos e ocorrências humanas, e por fim as danças individuais trazem consigo as reminiscências das antigas competições e desafios.

As danças também são descritas como “circulares”, estão ligadas a uma festa específica, temas religiosos e espirituais, já as consideradas como “sociais” são as danças costumeiras, que refletem o cotidiano das pessoas e são dançadas em casamentos e festas em geral. As danças circulares refletem um misticismo único e simbologias particulares. Já as sociais podem ser dançadas em qualquer tempo ou lugar. Um exemplo de uma dança bastante conhecida é a Kolomeika, dançada em casamentos, Vilson (2010, p. 01) destaca que:

O korovai (коровай) é um dos elementos fundamentais do casamento tradicional ucraniano. O mesmo consiste num grande pão doce, arredondado, que recebe na parte superior adornos feitos com a própria massa, em forma de lua e estrela que são representações do casal (...). A dança do korovai, ao som das “kolomeikas” é um dos principais momentos dos casamentos ucranianos, onde a alegria é contagiante. O korovai é um símbolo do sol e do amor que deve habitar em suas vidas, é uma homenagem aos noivos e uma bênção para o seu casamento.

A dança é uma expressão artística que existe no tempo e no espaço. Por meio dela reflete-se a historia do povo ucraniano do decorrer do tempo, com cenas de heroísmo da luta, comemorações religiosas, condições econômicas, trabalho, amor e principalmente alegria.

GRUPO DE DANÇA FOLCLÓRICA UCRANIANO VESNÁ

As famílias migrantes que colonizaram as terras de Roncador proporcionaram o destaque de sua cultura neste espaço, impregnando-o com suas formas culturais, não só religiosas, mas com sua língua, música e dança, isso pode ser visto com a criação do Grupo Folclórico Ucraniano Vesná, que vem desde 1977 destacando as tradições da comunidade de Roncador.

O fundador do grupo foi o Padre Marcos Heuko, que neste período atuava na Paróquia de São Nicolau. Inicialmente o Vesná era composto exclusivamente por jovens descendentes da cultura ucraniana, porém nas últimas gerações e atualmente abrange integrantes de todas as culturas, crenças e etnias, é um trabalho com jovens da comunidade para a divulgação e preservação da tradição cultural ucraniana, celebrando a cultura por meio da arte, com a dança folclórica e oficinas.

Segundo Ciupa (2002, p. 18) “A palavra Vesná é de origem ucraniana que em português significa primavera, eles acreditavam que nesta estação do ano os jovens se sentem mais alegres, e mais dispostos a cultivar a vida, exaltando sua alegria em forma de dança".

A partir dos anos 1980 o grupo foi se tornando referência em danças folclóricas ucraínas no estado do Paraná, através de apresentações locais, assim como em vários municípios da região e por todo o estado, o qual apresenta ramificações através de suas apresentações e participações de festivais nacionais, eventos e espetáculos.

A geração dos anos 90 seguiu levando a bandeira do Vesná, sempre dançando e encantando o público com alegria nos passos e sorriso nos olhos, como nos anos 2000, quando se apresentou no conceituado Teatro Guaíra, na cidade de Curitiba, capital paranaense.

No ano de 2007, o grupo teve a honra de sediar XIV Festival Nacional de Danças Ucranianas, ano em que celebrava seus 30 anos de existência. Os integrantes dedicaram-se para realizar um espetáculo emocionante, o qual gera elogias até os dias atuais.

Nesse mesmo período o Vesná teve uma pausa em suas atividades, os motivos que levaram á isso foram os mais diversos possíveis. Alguns integrantes tentaram por algumas vezes recuperar o grupo, mas a maioria das tentativas não teve sucesso, principalmente pela falta de estrutura e incentivo financeiro. Diante isso o grupo Vesná ficou adormecido por um período de tempo.

O retorno do grupo como um grande incentivador cultural através da Associação Vesná de Roncador

Em 2015 houve uma nova tentativa para reiniciar as atividades folclóricas, esta contou com o apoio da comunidade e de alguns incentivadores locais. Essa movimentação levou a reflexão de diversas pessoas, como o senhor Mário Kovalek, sobre a importância da recuperação e preservação da cultura ucraniana no município de Roncador, a qual sempre teve grande influencia e proporciona prestigio ao município.

A partir disso com a criação da Associação Vesná de Roncador, o grupo teve o impulso que faltava para retornar com todas as energias possíveis. Atualmente conta com quase 100 integrantes, agora mais forte, com apoio, com maiores possibilidades e com mais vontade ainda. Diante disso, o grupo está tendo a oportunidade de investir formações, estrutura e figurinos.

Atualmente como parte do resgate da cultura ucraniana de Roncador, desenvolvida pela Associação Vesná, além do retorno das atividades do grupo de dança, houve a criação do Coral Vesná, o qual encanta a todos com suas lindas vozes em celebrações religiosas, eventos e espetáculos.

Coral Vesná


No dia 23 de setembro o grupo celebrou mais uma data importante em sua história, foi realizado um evento em Roncador em comemoração aos 40 anos do Vesná. Um espetáculo cheio de emoções, sendo refletido pelos bailarinos traços significativo de caráter ucraniano: amor à liberdade, heroísmo, perseverança, criatividade, inteligência, alegria.

Associação Vesná em uma de suas recentes apresentações.


O reconhecimento do grupo é algo invejável, isso graças a seus coreógrafos e integrantes, que desde o principio sempre dedicados e dispostos a dar seu melhor em prol da preservação da cultura. As coreografias sempre foram realizadas com grau de dificuldade elevadíssimo, os dançarinos com graça e leveza nos passos, sorrisos e beleza nos olhos, parecem voar, tamanha é a magia que demonstram em cada espetáculo no palco

CURIOSIDADE

Cantigas populares

Nas canções ucranianas reflete-se a história, a vida, os costumes e os sentimentos sobre a Ucrânia, pois tratam de fatos da vida camponesa, dos encontros e desencontros das relações amorosas, da vida cotidiana, são canções nacionalistas, que convocam o povo ucraniano a lutar por seu país. A Ucrânia foi durante a maior parte de sua história dominada por outras nações, e os temas heróicos surgem assim frequentemente no repertório musical dos membros da etnia.

Uma das tradições mais antigas que é preservada em Roncador e envolve as cantigas ucranianas é a “Kolhadá” (canções natalinas).

As Koliadê ocorrem no dia de Natal. Formam-se grupos de cada faixa etária, que circulam entre as casas dos membros da comunidade e cantam estas canções (Коляда – Koliadá – é o nome tanto do ritual quanto das canções). Os grupos são recebidos, cantam e declamam uma mensagem desejando saúde e prosperidade para o ano seguinte. O dono da casa serve então comidas e bebidas e, no final da visita, faz uma colaboração em dinheiro para a paróquia (GUÉRIOS, 2014, p.01).



Referências

BORUSZENKO, O. Os ucranianos. In: Boletim informativo da casa Romário Martins. 2. ed. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 22, n. 108, out. 1995.

CIUPA, E. Roncador terra da fé. Livreto impresso, p. 01-29, 2002.
GUÉRIOS, P. Sonoridade do Paraná a música de origem étnica do Estado do Paraná. Parabolé Educação e Cultura, v. 1, n. 33, p. 125-142, fev. 2014.

• KOTVISKI, J, V. Oficina de HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/"Pêssankas HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/"– HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" Artesanato Ucraniano. HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/"Pessanka HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/" HYPERLINK "http://www.pessanka.com.br/blog/2017/03/23/oficina-de-pessankas-artesanato-ucraniano-vilson-jose-kotviski/" Blog, p. 01, jan 10.
• Vesná cultivando a tradição ucraína no Paraná. Trilha & Lugares, julho de 2017.

Religiosidade

Uma das principais características dos ucranianos é a religiosidade. A maioria dos ucranianos no Brasil são católicos do rito oriental e uma pequena parte é de ortodoxos, o que difere-se da Ucrânia, onde a maioria dos fiéis segue o rito ortodoxo. Na comunidade de Roncador o rito mais seguido é o oriental.

O rito oriental está em plena comunhão com o papa, ou seja, são as igrejas cristãs surgidas a partir das províncias orientais do Império Romano, caracterizadas por uma multiplicidade de tradições e ritos litúrgicos, sendo predominante a tradição bizantina e seu rito correspondente, também chamado de rito bizantino, pode significar um rito litúrgico.

“A liturgia bizantina, da qual a ucraniana é um ramo, tem origem na de Jerusalém, de São Tiago, reformada por São Basílio Magno e abreviada por São João Crisótomo, no século IV. Foi logo aprovada pela Igreja, sendo seguida até hoje por grande número de cristãos do Oriente e pelos fiéis do rito ucraniano, o qual é todo celebrado na língua ucraniana" (BORUSZENKO, 1969, p.431).

As cerimônias da missa são cheias de simbolismo, um dos que mais chama a atenção na liturgia é o celebrante, pois este é considerado como o guia, o pastor que caminha diante do rebanho para conduzir os fiéis para as fontes de graça e da salvação, por isso o mesmo celebra a missa de costas para o povo. (CIUPA, 2002).

Celebração litúrgica ucraniana do rito bizantino.

A Igreja ucraniana para reviver importantes acontecimentos da história da criação e redenção do homem, apresenta uma ordem de tempo de celebrações destes mistérios, tendo no mínimo 10 principais "dias santos" durante o ano, celebrações estas sempre rezadas e cantadas na língua ucraniana.

Desde a chegada dos imigrantes até hoje, a principal fonte de preservação e ensinamentos religiosos na comunidade São Nicolau é a catequese. A catequese faz parte da ação evangelizadora da Igreja que envolve aqueles que aderem a Jesus Cristo. Catequese é o ensinamento essencial da fé, não apenas da doutrina como também da vida, levando a uma consciente e ativa participação do mistério litúrgico e irradiando uma ação apostólica. Segundo o Documento de Puebla (1979) e a afirmação dos Bispos do Brasil, a catequese é um processo de educação da fé em comunidade, é dinâmica, é sistemática e permanece.

A catequese é ministrada aos sábados pelas Irmãs Servas de Maria Imaculada, como também por catequistas leigas. Além da parte religiosa elas disponibilizam à comunidade vários cursos com a finalidade de aproximar os participantes de costumes e hábitos do país de origem, entre eles, estão a língua, a dança, a arte e a culinária. Bem como, há a oferta de cursos de língua ucraniana como forma de manutenção e divulgação da língua.

Artesanato

O artesanato ucraniano tem raízes nos hábitos agrários e é representado pelos bordados e pinturas de desenhos seculares, cerâmica, entalhe em madeira, tecelagem, xilogravura, pintura de bonecas e de ovos típicos, as famosas pêssankas, importantes elementos da cultura que ainda conservam inúmeras características bizantinas.

Um dos principais ícones do artesanato ucraniano são as pêssankas, “conta-se que os povos na era pagã decoravam ovos para dar as boas-vindas ao sol, festejando a primavera para assegurar fertilidade ao homem, á terra e aos rebanhos: A pêssanka simbolizava, assim, o renascimento da terra na primavera” (ZANELATTO, 2013, p.01).

Pysanky, pysankla e pêssanka são palavras que derivam da palavra ucraniana “pessaty,” que significa escrever. A arte de colorir os ovos ficou assim denominada pelo fato de ser expresso algo por meio dos desenhos, das formas e das cores utilizadas. Dar uma pêssanka é dar um presente simbólico da vida, pois o ovo em sua simbologia deve renascer por inteiro, além disso, cada um dos desenhos e das cores na pêssanka é considerado ter um significado profundo. Tradicionalmente, os desenhos são escolhidos para combinar com o caráter da pessoa a quem a pêssanka será dada como presente. (CIUPA, 2002).

“Há indícios de que os ucranianos produziam pêssankas desde 3.000 a.C., com ferramentas rústicas e desenhos não tão elaborados como os de hoje em dia. Como os ucranianos veneravam a natureza, antes da conversão ao cristianismo, na Festa da Primavera ofereciam presentes ao deus Dajbóh, equivalente a Apolo, e entre eles sempre se encontravam pêssankas. Quando o príncipe Wolodymir adotou o cristianismo como religião oficial do país, o clero adaptou a arte dos ovos decorados à nova realidade e eles passaram a ser uma tradição de Páscoa” (MICHALZECHEN, 2013, p.01).

A pêssanka é feita, tradicionalmente, durante a última semana da Quaresma, que é festejada no calendário católico e ortodoxo. Os ovos pintados são levados então á Igreja na celebração no sábado de aleluia, para serem abençoadas pelos sacerdotes, estes ovos carregam as camadas mais profundas do misticismo religioso para os ucranianos, acreditam que ao ofertar ou receber um pêssanka esta tráz consigo fortuna, prosperidade, saúde e proteção, considerada como um talismã de proteção e não apenas um elemento decorativo. (CIUPA, 2002).

Dona Maria Bodnar integrante da comunidade São Nicolau de Roncador –PR na confecção de pêssankas.



REFERÊNCIAS

ARROYO, M, G. Depoimento. Revista Educação em Revista UFMG, v. 1, n. 32, p. 25-42, set. 1994.
BORUSZENKO, O. Os ucranianos. In: Boletim informativo da casa Romário Martins. 2. ed. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 22, n. 108, out. 1995.
_______. Caderno estatístico do município de Roncador. Roncador: Prefeitura Municipal de Roncador. Livreto impresso, 2016.
CIUPA, E. Roncador terra da fé. Livreto impresso, 2002.
HORBATIUK, P. Imigração Ucraniana no Paraná. Porto União: Uniporto, 1989.
PREFEITURA DE RONCADOR. História, pioneiros e atualidades. Roncador: Prefeitura Municipal de Roncador. Livreto impresso, 1986.
ZANELATTO, C. Quando Os Padrões São Símbolos. Revista Clichê, v. 1, n. 23, p. 1-14, jun. 2013.



Autora: Ana Flavia Slobodjan dos Santos

Acadêmica do 4º ano do curso de Fonoaudiologia da UNICENTRO – Campus/Irati – PR

Participou como orientanda voluntária da Profª . Drª. Loremi Loregian-Penkal (DELET/Irati) com o projeto intitulado “A cultura ucraniana e sua trajetória no município de Roncador – PR”, nos anos de 2015 e 2016, trabalho pertencente ao Programa Institucional de Iniciação Científica - PROIC, da UNICENTRO,  tendo como apoio a Fundação Araucária.

A imigração ucraniana no Brasil

No Ocidente, os ucranianos são calculados em cerca de 2 milhões. Destes 150 mil vivem no Brasil, e 120 mil habitam no Paraná. Os primeiros imigrantes ucranianos chegaram ao Paraná a mais de 100 anos, por volta do século XIX, inicialmente localizaram-se na zona sudoeste do Estado, cujo clima para os europeus é favorável. No Brasil houve duas grandes levas imigratórias da Ucrânia, a primeira nos fins de 1895 que foi até o ano de 1930 e a segunda após a II guerra mundial. De acordo com Oksana Boruszenko (1995), os primeiros imigrantes que desembarcaram no Brasil eram da Galícia, região ocidental da Ucrânia.

A imigração dos ucranianos para o Brasil foi motivada pelas imposições do Czarismo da Rússia e Ucrânia Oriental, e o abuso de poder dos senhores feudais do ocidente, ou seja, estavam sobre grande opressão política e religiosa. Sendo assim, partiram em busca de liberdade, melhores condições de vida tanto econômica como social.

O território ucraniano estava sob o domínio da Rússia e do Império Austro-Húngaro, e a religião católica da Ucrânia estava reduzida à região da Galícia, sob domínio austríaco. A igreja sofria perseguições da Rússia (ortodoxa), e as condições de vida eram precárias, devido à fraca industrialização, apesar de que, a partir de 1880, na Ucrânia, tem início um surto industrial, cujo capital era, na maioria, estrangeiro, sendo este um motivo para a morosidade do progresso no setor” (HORBATIUK, 1989).

A chegada dos imigrantes no estado do Paraná

De acordo com Boruszenko (1995), os primeiros imigrantes ucranianos que chegaram ao Paraná foram oito famílias vindas da Galícia, instalando-se próximo ao município de Palmeira, entre Curitiba e Ponta Grossa, onde fundaram a colônia de Santa Bárbara. A segunda fase da imigração ocorreu no início do século XX devido ao cunho político que se encontrava na Ucrânia, onde estes imigrantes foram chamados pelo Governo do estado do Paraná para trabalhar em obras públicas. Por fim Boruszenko (1995) relata que após a Segunda Guerra Mundial emigraram mais de 200 mil ucranianos, refugiados políticos, que lutaram contra os russos e eram exilados para a Alemanha durante o nazismo em parte da Ucrânia.

A imigração ucraniana e o processo de colonização no município de Roncador – PR

No processo de colonização do município de Roncador os colonos-posseiros também estavam presentes, em 1923 chegaram as primeiras famílias ucranianas ao local, estes partiram de Guarapuava como Comissão Exploradora de Terras, tendo a missão de abrir o terceiro “Picadão”, “os caminhos primeiramente eram trilhas, picadas em matas fechadas, com muitos obstáculos como rios, rochas, subidas inclinadas, que dificultavam a vida dos tropeiros” (Steca e Flores, 2002, p.17), ou seja, ainda não havia um trecho que ligava Guarapuava, Campo Mourão e Mato Grosso. Quando passavam pela região acampavam próximos a um rio, que a noite com as ventanias formava um ronco alto em meio a copa dos pinheiros e a queda d’água, a partir disso deram o nome ao rio de Roncador, que mais tarde em julho de 1960, passou a ser o nome da cidade. (HISTÓRICO DE RONCADOR, 1986, p. 3).

Queda D’agua que originou o nome do município de Roncador
Fonte: http://wibajucm.blogspot.com.br/2011/06/roncador-nasceu-de-um-rio.html.

O município de Roncador localiza-se na microrregião Centro – Oeste do Estado do Paraná limita-se ao norte com os municípios de Luisiana e Iretama, ao sul com Palmital e Mato Rico, ao leste com Nova Tebas e ao oeste com o município de Nova Cantu. De acordo com o IPARDES (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social), tendo como fonte os dados divulgados em 28 de agosto de 2015 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) estima-se que a população atual do município é de 11.065 habitantes.

Localização do município de Roncador no Estado do Paraná.

Os desbravadores, ainda no ano de 1923, começaram a colonização do município, que se estendeu até o ano de 1925, onde aos poucos a densa mata e os pinheirais foram dando lugar a pequenas plantações e criações de suínos. As famílias que ali chegaram trouxeram consigo sua cultura, idioma, costumes e seu rito, implantaram na colônia de Roncador suas heranças trazidas da Ucrânia. (HISTÓRICO DE RONCADOR, 1986, p. 3)

A Ucrânia é um país repleto de tradições, artes e costumes, os imigrantes trouxeram consigo grande parte deste acervo cultural, como forma de preservar sua história em seu novo modo de vida. Destacam que buscam com estas tradições trazer um novo colorido á terra que os acolheu e lhes serviu de nova pátria. De acordo com Arroyo (1994), nós seres humanos somos culturais, nos construímos como tal em nosso processo de formação e humanização. Sermos sujeitos culturais não é algo acidental à nossa condição humana.

Evidencia-se que os descendentes de ucranianos, vindos para o município de Roncador no momento da sua colonização, conseguiram estabelecer suas representações e traços culturais na configuração espacial da região, sendo visivelmente identificados. Essa cultura proporcionou elementos que foram primordiais e determinantes para que o município de Roncador construísse sua identidade cultural atrelada à presença e atuação dos descendentes de ucranianos na região.

O desejo desta comunidade é manter a sua cultura e, sobretudo, a sua religiosidade nos moldes em que foram criados. Para tanto, é preciso ensinar o pouco que sabem e, como eles mesmos dizem, “não abandonar a terra-mãe.”.

REFERÊNCIAS

ARROYO, M, G. Depoimento. Revista Educação em Revista UFMG, v. 1, n. 32, p. 25-42, set. 1994.
BORUSZENKO, O. Os ucranianos. In: Boletim informativo da casa Romário Martins. 2. ed. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 22, n. 108, out. 1995.
_______. Caderno estatístico do município de Roncador. Roncador: Prefeitura Municipal de Roncador. Livreto impresso, 2016.
CIUPA, E. Roncador terra da fé. Livreto impresso, 2002.
HORBATIUK, P. Imigração Ucraniana no Paraná. Porto União: Uniporto, 1989.
PREFEITURA DE RONCADOR. História, pioneiros e atualidades. Roncador: Prefeitura Municipal de Roncador. Livreto impresso, 1986.
ZANELATTO, C. Quando Os Padrões São Símbolos. Revista Clichê, v. 1, n. 23, p. 1-14, jun. 2013.



Autora: Ana Flavia Slobodjan dos Santos

Acadêmica do 4º ano do curso de Fonoaudiologia da UNICENTRO – Campus/Irati – PR

Participou como orientanda voluntária da Profª . Drª. Loremi Loregian-Penkal (DELET/Irati) com o projeto intitulado “A cultura ucraniana e sua trajetória no município de Roncador – PR”, nos anos de 2015 e 2016, trabalho pertencente ao Programa Institucional de Iniciação Científica - PROIC, da UNICENTRO,  tendo como apoio a Fundação Araucária.


O grupo folclórico Vesná de Roncador em sua nova fase vem se destacando não só apenas em Roncador, mas também em âmbito estadual, prova disto é o recente convite para participar do renomado Jantar típico Ucraniano na cidade de Cascavel promovido pelo Folclore Ucraniano Sonhachnek, sendo neste ano a atração especial do evento, cujo teve participações de grupos nacionais e internacionais

Fazendo parte do resgate da cultura ucraniana em Roncador, através da Associação Vesná, o grupo será representado pelos integrantes do grupo adulto que contará com 25 integrantes dos 85 dançarinos que fazem parte das categorias mirim, infantil, juvenil e adulto.

Mario Kovalek presidente da Associação Vesná de Roncador disse ser uma honra para o grupo participar de um evento de tamanha importância que é a noite ucraniana com o jantar típico já em sua XXII edição. “Essas participações motivam nossos jovens a buscarem sempre a excelência em suas performances, fazendo valer a pena todo trabalho em prol deste tão sonhado resgate”, afirma Mario Kovalek.

Obs. O resgate da Cultura Ucraniana em Roncador, vem acontecendo graças ao esforço da comunidade e Patrocínio Master da Coamo Agroindustrial Cooperativa, através da Lei Rouanet.
Fale com a gente: Contato